Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/528
Título: Influência das Variáveis Antropométricas na Proteína C Reactiva
Outros títulos: Influence of Anthropometric Variables in C Reactive Protein
Autor: Timóteo, AT
Miranda, F
Feliciano, J
Cruz Ferreira, R
Palavras-chave: Obesidade
Proteína C Reactiva
Peso Corporal
Doença das Artérias Coronárias
Estudos Transversais
Síndrome Metabólica
Factores de Risco
Circunferência da Cintura
Data: 2011
Editora: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos
Citação: Acta Med Port. 2011 May-Jun;24(3):419-26
Resumo: Introdução: A obesidade é um problema generalizado e crescente, assim como um dos componentes da Síndrome Metabólica (SM). Em populações saudáveis, a proteína C reactiva (PCR)correlaciona-se com medições de obesidade. Objectivos: Analisar numa populações de doentes com doença cardíaca, se se mantém a correlação entre a PCR e as variáveis de SM, assim como a relação entre a PCR e a doença arterial coronária (DAC). Material e Métodos: Estudo de 1231 doente admitidos para procedimento cardíaco invasivo electivo. Obtiveram-se dados antropométricos, valores de PCR, assim como identificação das variáveis componentes de SM. Comparámos os grupos distribuídos de acordo com o Índice de Massa Corporal (IMC) e correlacionámos com PCR e outras variáveis. Resultados: A frequência global de SM foi de 59%. A PCR foi significativamente mais elevada em doentes obesos, comparada com doentes com peso normal ou excesso de peso. A PCR correlacionou-se significativamente com todos os factores de risco. As melhores correlações foram obtidas com o perímetro abdominal, índice de massa corporal e número de componentes de SM. O melhor limiar da PCR para predizer SM foi de 0,38 mg/dL. Os factores de risco,incluindo as medidas de obesidade explicam apenas 3,3 – 3,5% da variância da PCR. O sexo foi o factor que melhor se correlacionou, seguido pelo colesterol-HDL. Das variáveis antropométricas, apenas o Índice de Massa Corporal contribuiu para a variância. Não se detectou nenhuma associação entre a PCR, SM e a presença de DAC. Conclusões: Em doentes com doença cardíaca, encontrámos uma associação significativa entre a PCR, variáveis antropométricas e SM, contudo não tão significativas como o previamente descrito em populações saudáveis. O número de componentes de SM é também um factor importante para influenciar a PCR.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.17/528
Aparece nas colecções:CAR - Artigos
PAT CLIN - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
AMP 2011 419.pdf338,85 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.