Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/3090
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorCarrilho, P-
dc.contributor.authorAlves, M-
dc.contributor.authorMartins, A-
dc.contributor.authorRodrigues, I-
dc.date.accessioned2018-10-26T15:04:13Z-
dc.date.available2018-10-26T15:04:13Z-
dc.date.issued2015-
dc.identifier.citationPort J Nephrol Hypert 2015; 29 (3): 213-220pt_PT
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.17/3090-
dc.description.abstractIntrodução: A suplementação de ferro a doentes em hemodiálise (HD) com défice funcional de ferro aumenta a resposta aos estimuladores da eritropoiese (EE), mas existem preocupações com a possibilidade de sobrecarga. O índice de resposta aos estimuladores de eritropoiese (ERI) permite quantificar a resistência aos EE. A administração frequente de uma pequena dose de ferro endovenoso pode melhorar a eritropoiese, mas não existe evidência para a recomendação desta estratégia. Métodos: Avaliou-se o impacto no ERI da mudança de uma dose variável, intermitente, de óxido ferroso sacarosado endovenoso, para uma dose fixa, frequente (3 vezes por semana) de 10mg. Realizou-se um estudo observacional, comparativo de 2 períodos de 4 meses antes (período 1) e 6 meses depois (período 2), em 51 doentes estáveis, em HD sob terapêutica de manutenção com ferro endovenoso (óxido ferroso sacarosado) e EE (darbepoetina alfa endovenosa). Resultados: idade 66,2 ± 14 anos, vintage de diálise 55 ± 58 meses, 21% melanodérmicos, 43% sexo masculino. A média da hemoglobina Hb (g/dL) no período 1 (10,9 ± 0,7) não diferiu do período 2 (11,05 ± 0,6), p = 0,061. A dose de ferro por doente/mês foi 203mg (IQR 117-217) durante o período 1 e 130mg no período 2 (p < 0,001). A dose mensal de EE diminuiu de 90 μg para 70 μg (p < 0,001), melhorando o ERI de 6,17 para 4,47 (p < 0,001). Enquanto os níveis de ferritina não diferiram, a média da TSAT no final foi superior à inicial (29,38 ± 10,8 vs. 23,76 ± 8,48), respectivamente, p < 0,001), sugerindo melhoria da disponibilidade do ferro para a eritropoiese. A média dos custos mensais (incluindo o ferro e o EE) diminuiu 25%. Conclusão: A administração de menos ferro de forma mais frequente permitiu atingir o valor alvo de Hb, melhorando a resposta ao EE e reduzindo os custos globaispt_PT
dc.language.isoengpt_PT
dc.publisherSociedade Portuguesa de Nefrologiapt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectCHLC CINVpt_PT
dc.subjectHaemodialysispt_PT
dc.subjectIronpt_PT
dc.subjectAnaemiapt_PT
dc.titleImproving Erythropoiesis Stimulating Agents'Responsiveness in Haemodialysis with Less Iron: an Observational Studypt_PT
dc.title.alternativeMelhorar a Resposta aos Estimuladores da Eritropoiese em Hemodiálise com Menos Ferro: Estudo Observacionalpt_PT
dc.typearticlept_PT
dc.peerreviewedyespt_PT
dc.description.versioninfo:eu-repo/semantics/publishedVersionpt_PT
degois.publication.firstPage213pt_PT
degois.publication.lastPage220pt_PT
degois.publication.titleRevista Portuguesa de Nefrologia e Hipertensãopt_PT
degois.publication.volume29pt_PT
Aparece nas colecções:CINV - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RPNH 2015 213.pdf607,23 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.