Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/2733
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorDias-Santos, A-
dc.contributor.authorVieira, L-
dc.contributor.authorLisboa, M-
dc.contributor.authorFerreira, S-
dc.contributor.authorFerreira, J-
dc.contributor.authorCunha, JP-
dc.date.accessioned2017-07-21T11:02:41Z-
dc.date.available2017-07-21T11:02:41Z-
dc.date.issued2013-07-
dc.identifier.citationOftalmologia. 2013 Jul-Set; 37 (3): 205-210pt_PT
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.17/2733-
dc.description.abstractIntrodução: O iStent® “trabecular micro-bypass stent modelo GTS100R/L” tem resultados comprovados na cirurgia do glaucoma de ângulo aberto. Descrito como cirurgia ab interno do canal de Schlemm, visa criar um bypass entre a câmara anterior e este canal, ultrapassando a malha trabecular – principal resistência à drenagem de humor aquoso. Os autores visam estudar o papel do OCT de segmento anterior (SA) na localização do iStent® e uma eventual relação entre o seu posicionamento a eficácia hipotensora. Material e Métodos: Estudo transversal descritivo em que se avaliaram 17 olhos de 17 doentes submetidos a cirurgia de facoemulsificação combinada com iStent®, com um ano de follow-up. Estudou-se o ângulo irido-corneano com OCT spectral domain de SA (Heidelberg Spectralis®) e realizou-se uma avaliação oftalmológica que incluiu medição da pressão intra-ocular (PIO) com tonómetro de Goldmann e gonioscopia. Resultados: Em todos os olhos foi possível localizar o iStent® no ângulo da câmara anterior, porém apenas 4 pareciam estar no canal de Schlemm, estando os restantes na malha trabecular ou esporão escleral. Nos 4 olhos com implante no canal verificou-se uma redução média da PIO de 6,0 mmHg relativamente aos valores pré-operatórios, nos restantes essa redução foi 5,36 mmHg. Esta diferença não é estatisticamente significativa (p>0,05). Conclusões: O OCT spectral domain de SA é um método eficiente para determinar o posicionamento do iStent® no ângulo. Apesar da maioria das extremidades distais dos dispositivos não se encontrarem no canal de Schlemm, estes ultrapassaram a resistência da malha trabecular, pelo que a localização não parece comprometer a eficácia hipotensora.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherSociedade Portuguesa de Oftalmologiapt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectCHLC OFTpt_PT
dc.subjectPhacoemulsificationpt_PT
dc.subjectStentspt_PT
dc.subjectTomografia de Coerência Ópticapt_PT
dc.subjectGlaucomapt_PT
dc.titleSerá o implante de iStent® uma Cirurgia do Canal de Schlemm? Avaliação por OCT Spectral Domain de Segmento Anteriorpt_PT
dc.typearticlept_PT
dc.peerreviewedyespt_PT
dc.description.versioninfo:eu-repo/semantics/publishedVersionpt_PT
degois.publication.firstPage205pt_PT
degois.publication.lastPage210pt_PT
degois.publication.titleOftalmologiapt_PT
degois.publication.volume37pt_PT
Aparece nas colecções:OFT - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Oftalmologia 2013 205.pdf1,47 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.