Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/182
Título: Morbilidade Cardiovascular em Crianças com Infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana
Outros títulos: Cardiovascular Morbidity in Children with Human Immunodeficiency Virus Infection
Autor: Nogueira, G
Macedo, AJ
Paixão, A
Nunes, MA
Ferreira, M
Bernardino, L
Bessa, A
Rosado, L
Kaku, S
Costa, MG
Palavras-chave: Infecções Oportunistas Relacionadas com a SIDA
Doenças Cardiovasculares
Infecção por HIV
HIV-1
Estudos Prospectivos
Factores de Risco
Data: 1998
Editora: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos
Citação: Acta Med Port. 1998 Dec;11(12):1051-7.
Resumo: Na infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) estão descritas alterações cardiovasculares, tanto estruturais como funcionais. Com o objectivo de fazer o rastreio das referidas alterações no propósito de uma intervenção terapêutica precoce, foi efectuada uma avaliação clínica e laboratorial prospectiva em 32 crianças com infecção pelo VIH, com idades compreendidas entre três meses e 13 anos (média = 3.11 +/- 3.51 anos). Em 90% dos doentes identificou-se transmissão perinatal. Vinte e duas crianças (69%) estavam sintomáticas, sendo a sintomatologia moderada em nove e grave em oito. Catorze doentes tinham alterações imunológicas e oito delas apresentavam imunosupressão grave. Vinte e oito crianças (88%)tinham infecção pelo VIH 1 e seis tinham infecção recente pelo Vírus de Ebstein-Barr. Dezanove doentes receberam tratamento com zidovudina e 14 com imunoglobulinas por via endovenosa. Foram detectadas 19 alterações cardiovasculares em 15 doentes (47%), nomeadamente: 11 casos de hipertensão pulmonar por critérios ecocardiográficos, (oito delas tinham infiltrados intersticiais na radiografia do tórax) e quatro casos de disfunção ventricular esquerda que, por isso, iniciaram terapêutica anticongestiva. As restantes anomalias estruturais ou funcionais foram: persistência de canal arterial; hipertrofia do septo interventricular; prolapso da válvula mitral e derrame pericárdico cada uma delas em um caso. No electrocardiograma de superfície quatro crianças apresentaram critérios de hipertrofia ventricular direita, uma tinha hipertrofia ventricular esquerda e duas tinham alterações inespecíficas de repolarização ventricular. Em 14 doentes (44%) verificou-se no ECG de 24 horas taquicardia sinusal com uma frequência cardíaca média superior ao percentil 95. As anomalias cardiovasculares foram mais frequentes nas crianças com estadios mais avançados de doença. Conclusões: As anomalias cardiovasculares são frequentes em crianças com infecção pelo VIH em estadios avançados; a hipertensão pulmonar é a anomalia cardiovascular mais frequentemente detectada e está associada a patologia respiratória crónica ou recorrente; o acompanhamento cardiológico está indicado nas crianças com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana.
URI: http://hdl.handle.net/10400.17/182
Aparece nas colecções:CAR PED - Artigos
HEM PED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
AMP 1998 1051.pdf1,86 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.