Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/1671
Título: Health-Related Quality of Life of Pediatric Intensive Care Survivors
Outros títulos: Qualidade de Vida Relacionada à Saúde de Sobreviventes à Terapia Intensiva Pediátrica
Autor: Cunha, F
Almeida-Santos, L
Teixeira-Pinto, A
Farela Neves, J
Deolinda Barata, D
Costa-Pereira, A
Palavras-chave: Qualidade de Vida
Cuidados Intensivos
Morbilidade
Criança
HDE UCI PED
Data: 2012
Editora: Sociedade Brasileira de Pediatria
Citação: J Pediatr (Rio J). 2012; 88 (1) :25-32
Resumo: Objetivo: Avaliar a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS)de crianças sobreviventes à alta da terapia intensiva pediátrica. Métodos: Foi realizada uma avaliação prospectiva da QVRS na admissão e após 6 meses em crianças com idade igual ou superior a 6 anos, internadas em três unidades de terapia intensiva pediátricas (UTIPs) terciárias de maio de 2002 a junho de 2004. A QVRS foi avaliada com o questionário Health Utilities Index Mark 3 (HUI3), aplicado a um representante da criança. Resultados: Das 517 admissões elegíveis, 44 crianças faleceram na UTIP (8,5%) e 320 casos foram avaliados na admissão; entre eles, foi possível realizar o seguimento de 252 casos. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os escores globais do HUI3 antes da admissão e no seguimento [medianas (intervalo interquartil) de 0,86 (0,42-1,00) e 0,83 (0,45-1,00); p = 0,674, respectivamente]. No âmbito individual, 21% das crianças não apresentaram mudanças na QVRS, foi observada melhora em 40% e agravamento em 38% dos casos. Deficiência grave antes da admissão (escore global do HUI3 < 0,70)esteve presente em 36% dos casos, com melhora no seguimento aos 6 meses em 60% deles. Entre aqueles que apresentaram agravamento da QVRS no seguimento, 45% eram vítimas de trauma. Conclusões: Embora a QVRS seja globalmente semelhante nas duas avaliações, foram encontradas várias diferenças no âmbito individual. As crianças com baixa QVRS antes da admissão (deficiência grave) podem se beneficiar da terapia intensiva pediátrica, visto que muitas dessas crianças melhoraram a QVRS, em comparação com seu estado pré-admissão.
URI: http://hdl.handle.net/10400.17/1671
Aparece nas colecções:UCI PED - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
J Pediatr (Rio J) 2012_25.pdf330,78 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.