Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.17/1033
Título: Coreia - Em Busca do Diagnóstico!
Autor: Marcos, S
Brito, MJ
Vieira, JP
Palavras-chave: Ac Anti MNDAR
Coreia de Sydenham
HDE NEU PED
HDE INF PED
Data: 2011
Editora: Unidade de Infecciologia Pediátrica e Unidade de Neuropediatria, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
Citação: IN: XVIII Reunião do Anuário do Hospital de Dona Estefânia; 2011 30 Junho a 2 Julho. Lisboa.
Resumo: Introdução: A coreia, isolada ou associada a outros distúrbios do movimento, pode serforma de apresentação de diversas patologias. A história clínica e o exame objectivo sugerem o diagnóstico e orientam a investigação da generalidade das situações de coreia, sendo a sua etiologia identificada na maioria dos casos. Relato de caso: Adolescente do sexo feminino, 14 anos, residente em Angola, com movimentos involuntários dos membros e face, interpretados como coreia e discinésia oro-facial, e hipomobilidade do membro superior direito com cinco dias de evolução associada a labilidade emocional. Sem história sugestiva de doença estreptocócica, infeccções recentes ou exposição a fármacos. Avaliação laboratorial, incluindo função tiroideia, ceruloplasmina sérica, exame citoquímico e imunoelectroforese do líquor, sem alterações relevantes. Pesquisa de tóxicos negativa. Ressonância magnética crânio-encefálica e electroencefalograma normais. Evidência ecocardiográfica de insuficiência mitral ligeira sem aspectos sugestivos de cardite reumática. Exame bacteriológico do exsudado faríngeo negativo e doseamento de anticorpos anti-estreptococo negativo. Apesar destes resultados realizou penicilina benzatínica. Do restante estudo infeccioso destaca-se serologia compatível com infecção a Borrelia burgdorferi sem envolvimento neurológico. O doseamento de anticorpos anti-N-methyl-D-aspartate receptor (ac anti-NMDAR) foi positivo no soro. Iniciou tratamento sintomático com carbamazepina e haloperidol com resolução das queixas. A segunda amostra para pesquisa de ac anti-NMDAR no líquor e sangue foi negativa. Conclusões: O facto de não haver confirmação de doença estreptocócica prévia, não nos permite assumir a coreia de Sydenham, causa mais frequente de coreia em pediatria. Como a restante investigação não foi conclusiva deverá esta doente ser seguida a longo prazo; talvez a evolução nos venha o dar o diagnóstico final.
URI: http://hdl.handle.net/10400.17/1033
Aparece nas colecções:NEU PED - Comunicações e Conferências
INF PED - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
pt_55.pdf542,8 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.